Do coração de Jesus brilha esta luz para iluminar as trevas do mundo.

entrevista fundador
CLV  - Estamos no mês das vocações, rezando por elas. A Igreja pede para que todos rezem pelas vocações. Como o senhor vê esta necessidade de rezarmos nesta intenção?
Hoje é uma necessidade profunda de rezarmos pelas vocações, até porque sabemos o quanto hoje a tecnologia, a mentalidade hedonista, materialista vêm distorcendo o verdadeiro  valor do ser humano e o distanciamento de Deus. O homem ocupado com suas coisas não têm tempo mais para rezar, não tem tempo mais para servir; e são duas fontes fundamentais  que vão fazer brilhar a vocação em nós: que é a força da oração e o servir a Deus e sua Igreja
 
CLV- Qual é o maior desafio do senhor em ser um vocacionado?
O  desafio de assumir a vontade de Deus como a maior meta da minha vida. Eu creio que não é só minha, mas é um desafio de todos os cristãos. Porém, para quem é um vocacionado a ser um missionário, e no meu caso como leigo, este é um desafio concreto, mesmo estando no mundo, viver a vontade de Deus, para isso é preciso discernir, é preciso buscar, é preciso, como nos diz a Palavra: bater até se for necessário para que o Espírito do Senhor nos conduza e nos capacite para realizarmos a sua vontade.
 
CLV - Como senhor explica esta resposta de amor: Deus o chamou por amor e o senhor respondeu por amor?
A resposta é gratidão. Ninguém que foi tocado por Deus um dia não quer agradá-Lo mais. Pelo contrário, somente quem nunca experimentou o Senhor, quem não o conheceu , ou só o conhece de ouvir falar vai ter um comportamento superficial  e infiel a Deus. Mas aquele que realmente foi tocado por Deus, quer agradá-Lo. Isto é próprio  dos dons infusos do Espírito  Santo, dos dons de santificação; o temor de Deus, o querer agradar o Senhor, de corresponder a este amor. As vocações são resultados destas respostas que vamos dando a Deus para nossa própria vocação: vocação à santidade, vocação a evangelizar, que é próprio de todo batizado. À  medida que vivemos esta resposta, a medida que está na identidade de cada um, Deus pode nos chamar para segui-Lo mais de perto.
 
CLV -Na realidade da CLV, o chamado do senhor é irrevogável?
Toda vocação a uma vida consagrada ou a uma consagração de vida, que é nosso caso, pois estamos consagrando a nossa vida para a vida missionária, para servir o nosso Deus evangelizando. O chamamento de Deus, como nos diz a Palavra, é irrevogável  e não tem como você negá-Lo. Santo Afonso Maria de Ligório diz que ninguém consegue viver a vocação à santidade, se não for dentro da sua vocação específica. Dentro da nossa identidade, está o carisma no qual devemos nos identificar. Para quem tem dentro da sua identidade um chamado específico para servir o Senhor mais de perto, testemunhá-lo  verdadeiramente, é necessário dar esta resposta. Não dando,  vive de uma forma medíocre aquilo que é próprio do evangelho, porque o evangelho não admite mediocridade. É preciso compreender que quando temos uma vocação, o único caminho é dar uma resposta positiva.
 
CLV - Senhor fala de muita autoridade da sua vocação. Há uma mistura de sentimento, há uma decisão no seu chamado? Há os dois ou são diferentes?
Todo ser humano é um ser religioso, e se é humano ele é afetivo. Só que nós precisamos em meio ao afetivo e à razão, à força de vontade, precisamos descobrir o espaço que só cabe a Deus, e este espaço é muito superior à afeto, ao sentimento, à emoção, à própria razão, e à própria vontade; Deus faz tudo isso para nos tocar. Mas quando Deus  alcança o homem é numa dimensão superior a tudo isso, Deus toca em nosso espírito, no espaço que só cabe a Ele.
 
CLV - Como é os passos de Deus na vocação Luz da Vida?
Os passos de Deus que já aconteceram podem ser mais fácil falar dele, mas os que não aconteceram não podemos falar, porque toda vocação você está correndo atrás dos planos de Deus. E quando você dá os passos que o Senhor quer, Ele sempre tem outros  maiores para que você O obedeça, siga esses passos.  Então, seguir os passos de Jesus Cristo é fazer esta leitura. A leitura de quem reconhece em Deus a maior causa de sua vida, o maior objetivo de sua vida. Então, a medida que se faz esta leitura, se começa então discernir quais os passos que devemos dar para agradar sempre o Senhor. Agradando a Deus vamos nos realizar como seres humanos.
 Olhando para a Luz da Vida, percebemos que Deus preparou de uma maneira muito simples e ao mesmo tempo muito profunda. A dificuldade é o meio em que vivemos e o que trazemos da nossa história: as nossas feridas afetivas, nossos apegos, nossos projetos pessoais que devem ser conformados com o plano de Deus e não o plano de Deus aos nossos projetos pessoais. Quando nós entendemos isso, a linguagem de Jesus que disse: aquele que quiser me seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz, depois vem e me segue; se nós entendermos a linguagem da renuncia, vamos entender, claramente, o quanto somos chamados a dar nossa vida pelo Reino de Deus. Isto é vocação específica. Obviamente como leigos vamos estar mais inseridos no mundo, e é esse hoje o grande desafio das novas comunidades.
 
CLV - Qual é o centro da vocação Luz da Vida?
É o coração de Jesus. Do coração de Jesus brilha esta luz para iluminar as trevas do mundo; de onde vamos buscar para resplandecer este brilho. O brilho do coração de Cristo para salvação das famílias. 
 
CLV - Como se dá a identidade do carisma Luz da Vida?
A  identidade está dentro daquilo que é face de luz de Cristo. A leitura que fazemos é quem é Jesus Cristo Luz da Vida ; nós vamos resplandecer este brilho. Não dá para determinar quem  é Deus,então,  não dá para determinar tudo que é luz: o Deus que é luz. Deus é luz. Esta experiência de compreender a identidade do carisma é uma meta que não irá acabar enquanto o fundador estiver vivo. Este é um desafio dia após dia. Mas é importante dizer o que Deus já fez. A partir do coração de Jesus, a base teológica da nossa vocação, o olhar para nossa missão, para o objeto da nossa missão que é família, olhar para a figura de S. João da Cruz e Santa Teresa d´Ávila, olhar para riqueza teológica de S. João Paulo II; tudo isso é fundamento que vai trazendo o que Deus sonhou para este carisma. Isto está cada vez mais cristalizado, mais formatado de acordo com o que Deus sonhou, porque com o tempo e com a oração, com a busca de agradar a Deus , isto vai sendo construindo. Nós acreditamos que hoje o carisma Luz da Vida é cada vez mais claro, isto é, vai clareando, vai se aprofundando a medida que nós queremos e fazemos a nossa parte.
 
CLV - Há alguma passagem na escritura que convenceu o senhor  da vocação? Quando isso aconteceu e como?
 
 Não acredito que uma passagem bíblica vai trazer uma vocação. Ela pode ser um marco na vida de qualquer pessoa, mas só ela não faz uma vocação. A vocação é uma construção  de uma resposta positiva que uma pessoa vai dando a Deus, e chega a determinado momento que ela foi construída e preparada por isso, para a vocação pelo próprio Deus. A Luz da Vida tem passagens bíblicas que estão no estatuto, mas não há uma passagem que diz assim:  esta marcou o que é a Luz da Vida. A experiência fundamental do carisma Luz da Vida é o Coração de Jesus. O próprio Cristo diz: Eu sou a luz do mundo, que me segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida. Isto é próprio do Evangelho. Reduzir o carisma Luz da Vida a esta palavra é reduzir o sentido da construção que Deus fez , o sentido histórico de tudo que Deus fez para chegar a este sim, para que nascesse a CLV.
 
 CLV - De que forma a espiritualidade Luz da Vida pode acrescentar na Igreja e na sociedade?
 
De maneira muito claro, percebemos o envolvimento das pessoas com aquilo que não é religioso, aquilo que é profano, e estão se aprofundando. O homem está se distanciando de Deus e, distanciando-se Deus, o homem se distancia de si mesmo. A grande contribuição da comunidade, com foco na missão que é evangelizar, resgatar as famílias, mas acima de tudo com uma boa formação inserida dentro da espiritualidade. Esta riqueza do conhecimento de si, de conhecer a si mesmo a partir de Jesus Cristo. Esta luz que ilumina as trevas a partir de dentro de nós, creio que esta grande sabedoria que brota do coração de Cristo para que possamos realmente trilhar este itinerário do conhecimento de si. Isto parte muito do que diz S. João Paulo II na sua primeira encíclica Redentor dos Homens. 
Em 1979, S. João Paulo II , lançou a sua primeira encíclica que diz que Jesus Cristo veio ao mundo para revelar a si mesmo, então, ninguém pode tomar posse de si, senão encontrar-se com Jesus. Esta é a luz que precisa brilhar em nosso coração, essa é a Luz da Vida: o próprio Cristo que vamos comunicar,e aí a pessoa vai se encontrar, descobrir-se, tomar posse de si a partir do Cristo que aparece na sua vida.
 CLV - E como descobrir ser vocacionado Luz da Vida?
 
A vivência do batismo é o primeiro passo. Primeira coisa: o que é viver o batismo? Viver o batismo é evangelizar e buscar a santidade. Isto está muito fora de moda hoje. As duas coisas não fazem parte da moda atual, as pessoas estão muito ocupadas de si mesmas, o egoísmo é a marca da vida das pessoas, por outro lado, as pessoas estão cada vez mais imaturas, especialmente, no quesito afetivo. A imatura afetiva é um dos grandes desafios que a vocação precisa superar, porque afetividade nunca é problema, ela é solução. No entanto, na imaturidade, as pessoas se tornam ainda mais apegadas, porque fazem dos apegos, das coisas, dos bens e até de pessoas subterfúgios porque não conseguem viver bem consigo mesmo. O grande desafio das vocações é que a pessoa não está bem vivendo só, ela acha que deve ter alguém, alguma coisa para encontrar a razão da sua existência. Isto impede a pessoa de fazer essa escuta da voz de Deus que a chama para segui-Lo. E toda vocação, e a Luz da Vida, não é diferente, é a partir da vivência do batismo: busca de santidade, que esta conformidade com  o próprio Deus, e evangelizar, anunciar o Deus que conheço, testemunhá-Lo, servindo o Senhor, a sua Igreja e o seu povo. Foi isso que aconteceu comigo, e é isso que deve acontecer com todas as pessoas. Então, quanto mais eu busco me conformar com Cristo, anunciá-Lo, eu vou descobrir de onde eu vim, quem sou eu nesse mundo, e a meta que tenho que alcançar.
CLV - Este mês estamos rezando, clamando ao Senhor pelas vocações. Há muitas pessoas que são vocacionadas, mas têm medo de assumir uma vocação; estão numa vocação, mas na verdade é outra, assim sendo, qual a orientação, a direção do senhor para estas pessoas que estão perdidas?
 
O  grande desafio para a questão vocacional é que as pessoas hoje não são formadas para a oração. Então, elas acreditam que sabem rezar. E o discernimento é o grande desafio e, hoje, estamos numa lacuna de diretores espirituais. O primeiro passo é que a pessoa aprenda a rezar e persevere na oração. Mesmo quando as coisas estiverem difíceis, que não esteja conseguindo, que ela persevere na oração, e tenha humildade de pedir uma direção espiritual. O que não é fácil de você encontrar. Um vocacionado se ele reza, se ele busca, o Senhor agirá na sua vida. Uma pessoa que tenha uma vocação medíocre, que reza só para dizer que rezou naquele dia. Não podemos rezar para isso. A Palavra de Deus nos diz: “Pelas misericórdias de Deus, oferecei vossos corpos como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, e este vosso culto espiritual. Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso espírito, para que possais discernir o que é bom, agradável, qual é a vontade de Deus” .  (Rm  12, 1-2)
 
Uma pessoa que não faz experiência autêntica com a misericórdia de Deus, ele não vai chegar à vontade de Deus, porque ele vai estar ferido. O que nos cura é a misericórdia de Deus, por isso, que S. Paulo nos diz: “pelas misericórdias de Deus” . Oferecer os nossos corpos, quando a pessoa tem a coragem de oferecer o seu corpo é porque antes ela ofereceu o seu coração, a sua alma e, talvez, o mais difícil seja o seu corpo. A compreensão  mais difícil seja o seu corpo, e talvez a última, por isso Jesus ofereceu seu corpo. E o que é oferecer o corpo? Um verdadeiro estado de castidade. 
Uma vocação cristã tem que passar necessariamente pela castidade, porque a castidade está vinculada à virtude do amor. Não existe castidade sem amor. A pessoa que não vive a castidade, não somente no sentido de abstinência sexual, mas no sentido de realmente aprender a amar, ela não vai conseguir viver uma vocação. O chamado do amor é aprender a amar como Deus ama. A beleza de uma vocação é a pessoa que se realiza num amor perfeito, acima do seu amor humano, que é o amor de Deus que vem alcançar a humanidade e capacitar a pessoa a amar como o próprio Cristo. 
 
Esta oferta do corpo é um sacrifício perfeito como diz a Palavra, e é esta oferta, esta oblação como nos ensina a Igreja é o que vai nos levar a não nos conformar com este mundo, estarmos dispostos a agradar a Deus e, se preciso for, desagradar pessoas. Por que o martírio existe? A expressão maior desta palavra é o martírio. O martírio dos apóstolos que deram sua vida pelo Reino, e tantos outros que tiveram esta coragem, porque ninguém pode tirar a vida de um cristão autêntico, porque a vida dele não pertence a ele; sua vida pertence ao próprio Deus. Esta dimensão de não conformar com o mundo, de fazer este discernimento do que é bom, do que é agradável, qual é vontade de Deus passa, a começar, pela misericórdia, pela entrega do corpo como sacrifício, obviamente do corpo que é templo do Espírito,  mas também toda sua humanidade; não se conformar com este mundo, anunciar os valores do Evangelho, e assim, descobrir a vontade de Deus. E quando se descobre a vontade de Deus, a pessoa se fortalece ainda mais para abraçar a causa do Evangelho e se entregar como oblação, como sacrifício pelo Reino de Deus.
 
Ultima mensagem que é muito importante, principalmente, para vocação leiga, porque o leigo não está acostumado a servir a Deus. Muitas pessoas acham, ainda mais na Igreja católica, que não se tem espaço para o leigo. E hoje o chamado é forte para a figura do leigo. O leigo tem espaço e que a Igreja já reconheceu e sempre reconheceu isso, e que o Espírito Santo do Senhor está chamando; ele está saindo, buscando a pessoa para que ela possa assumir este papel no mundo: Evangelizar. 
 
Gostaria de dizer, concretamente para todos que amam a família, que possam sentir este apelo no coração de seguir Jesus mais de perto, e quem O segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida.
 

Feliz dia dos pais!

banner fhater feliz

A eles foi entregue a tarefa de serem testemunhas do amor de Deus

Dirijo-me, hoje, com grande alegria no coração, a todos os homens que receberam a graça da paternidade, participação misteriosa e sempre carregada de surpresas no ato criador de Deus. Com as mulheres, mães com as quais geraram vidas, vocês são indispensáveis à continuação da espécie humana sobre a terra, e mais ainda indispensáveis para serem imagens do Pai do Céu, a quem chamamos de “Pai nosso”.
Em cada homem que se fez pai, quero saudar o exercício sadio da masculinidade, agradecendo-lhes pela vocação que Deus lhes confiou de serem personalidades carregadas de força e, ao mesmo tempo, de grande ternura. A todos peço para valorizarem o dom de conquistarem, sadiamente, o maravilhoso mundo feminino, presente no recesso do lar que Deus lhes concedeu. Se casados há pouco ou muito tempo, não importa, suplico a Deus para todos os esposos a graça de redescobrirem o namoro permanente, feito de olhares e carinhos, surpresas e gestos gratuitos de atenção. A vocês foi entregue a tarefa de serem testemunhas do amor misericordioso do “Pai nosso”.
Tomo a liberdade de entrar na casa daqueles homens que são pais, mas ainda não descobriram a beleza de um sacramento feito para o homem e a mulher que se amam. De fato, o matrimônio é graça de Deus, do mesmo modo que o batismo, a crisma, a Eucaristia e outros sacramentos. Ele é um presente de Deus, não instituído para dar mais ou menos sorte a quem quer que seja, mas para transformar o casal que o recebe num sinal do amor de Cristo e da Igreja. Serve para que você, pai, aponte, com sua vida e seu amor, para aquele que, sendo “Pai nosso”, quer ser servido e amado por todos os homens e mulheres.
Sei que há muitos pais que perderam filhos ou filhas e não me esqueço deles, como o “Pai nosso” não os esquece. Trata-se de algo muito sério, pois relembro muitos homens aos quais me foi dada a graça de ajudar em momentos dolorosos. Quantas lágrimas correm de rostos enrijecidos pelas lutas da vida quando o sofrimento bate à porta. Se palavras, muitas vezes, são insuficientes para consolá-los e às suas esposas e famílias, aceitem a presença da Igreja, que quer, mesmo no silêncio, dizer-lhes que não estão sós. Desfrutem a companhia da comunidade católica, com a qual vocês, pais da terra, podem rezar ao “Pai nosso”. Queridos pais, muitas vezes, suas mãos calejadas ou rostos cansados, os passos corridos de quem vai para o trabalho, uniformes ou ternos, empregos formais ou não, foram usados como sinal do que vocês representam: a força de trabalho na sociedade. Ainda que tantas mulheres tenham trabalho, cargos e responsabilidades fora de casa, vocês são vistos como os provedores das famílias. E o provedor “providencia” e acaba muito parecido com aquele que é o Senhor da Providência, a quem pedimos o pão de cada dia, quando rezamos o “Pai-Nosso”. Em nome da Igreja, reconheço todo o bem que fazem, o valor de seus esforços, sua labuta, seu cansaço, seu desejo de melhores condições de vida para suas famílias.
Dirijo-me agora aos pais que fazem muito e falam pouco, cuja dedicação e consciência são pouco conhecidas aos olhos humanos, mas patentes aos olhos de Deus. Vocês não são esquecidos por Deus nem pela Igreja. Desejo que Ele os faça superar a timidez e os ajude a se introduzirem mais e mais na vida das comunidades cristãs. Ajudem-nos a sermos bem realistas em nossas decisões. Ajudem seus filhos sem se omitirem na hora da correção. Mostrem o rumo, pois esta é a graça própria da paternidade. Afinal de contas, o “Pai nosso” quis contar com vocês!
Conheço também muitos homens que não experimentaram a fecundidade e, por um motivo ou outro, não tiveram filhos. Muitos de vocês deram um passo bonito, junto com sua esposa, assumindo filhos dos outros pela adoção. Outros se tornaram pais de muitos outros, com sensibilidade social apurada, ajudando a quem precisa. Com todos estes homens podemos dizer “Pai nosso”, porque, na fecundidade do Pai do Céu, cada um pode encontrar seu modo de fazer o bem e participar de Seu amor infinito.
Lanço, agora, meu olhar para os que ainda não são pais, mas querem sê-lo, os jovens ou adultos que se sentem chamados ao casamento e à fecundidade do matrimônio. Lembrem-se de que esta é uma vocação, um chamado, uma graça de Deus a ser acolhida e vivida com alegria. Não tenham medo das responsabilidades! Busquem o casamento e a família e não aventuras fortuitas. Saibam preparar-se bem para se realizarem na participação do mistério do “Pai nosso”.
Enfim, há homens que foram chamados a outro tipo de paternidade, pois Deus lhes concedeu a graça de serem pais da grande família de seus filhos na Igreja. São tão importantes que nós os chamamos “padres”, mais fecundos do que qualquer pai de família. A eles agradeço por nos ensinarem a rezar o “Pai-Nosso” e por gerarem os filhos de Deus pela Palavra e pelos sacramentos.
Com todos os pais, no dia que lhes é dedicado, qualquer que seja sua idade ou situação, fazemos o que existe de melhor, rezando juntos: "Pai nosso, que estais nos Céus, santificado seja o vosso nome, seja feita a vossa vontade, assim na terra como no Céu. O pão nosso de cada dia nos dai hoje, perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido, e não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal".

Dom Alberto Taveira Corrêa Arcebispo de Belém - PA

Do coração de Jesus brilha esta luz para iluminar as trevas do mundo. (2)

entrevista fundador
CLV  - Estamos no mês das vocações, rezando por elas. A Igreja pede para que todos rezem pelas vocações. Como o senhor vê esta necessidade de rezarmos nesta intenção?
 
Hoje é uma necessidade profunda de rezarmos pelas vocações, até porque sabemos o quanto hoje a tecnologia, a mentalidade hedonista, materialista vêm distorcendo o verdadeiro  valor do ser humano e o distanciamento de Deus. O homem ocupado com suas coisas não têm tempo mais para rezar, não tem tempo mais para servir; e são duas fontes fundamentais  que vão fazer brilhar a vocação em nós: que é a força da oração e o servir a Deus e sua Igreja
 
CLV- Qual é o maior desafio do senhor em ser um vocacionado?
O  desafio de assumir a vontade de Deus como a maior meta da minha vida. Eu creio que não é só minha, mas é um desafio de todos os cristãos. Porém, para quem é um vocacionado a ser um missionário, e no meu caso como leigo, este é um desafio concreto, mesmo estando no mundo, viver a vontade de Deus, para isso é preciso discernir, é preciso buscar, é preciso, como nos diz a Palavra: bater até se for necessário para que o Espírito do Senhor nos conduza e nos capacite para realizarmos a sua vontade.
 
CLV - Como o senhor explica esta resposta de amor: Deus o chamou por amor e o senhor respondeu por amor?
A resposta é gratidão. Ninguém que foi tocado por Deus um dia não quer agradá-Lo mais. Pelo contrário, somente quem nunca experimentou o Senhor, quem não o conheceu , ou só o conhece de ouvir falar vai ter um comportamento superficial  e infiel a Deus. Mas aquele que realmente foi tocado por Deus, quer agradá-Lo. Isto é próprio  dos dons infusos do Espírito  Santo, dos dons de santificação; o temor de Deus, o querer agradar o Senhor, de corresponder a este amor. As vocações são resultados destas respostas que vamos dando a Deus para nossa própria vocação: vocação à santidade, vocação a evangelizar, que é próprio de todo batizado. À  medida que vivemos esta resposta, a medida que está na identidade de cada um, Deus pode nos chamar para segui-Lo mais de perto.
 
CLV -Na realidade da CLV, o chamado do senhor é irrevogável?
Toda vocação a uma vida consagrada ou a uma consagração de vida, que é nosso caso, pois estamos consagrando a nossa vida para a vida missionária, para servir o nosso Deus evangelizando. O chamamento de Deus, como nos diz a Palavra, é irrevogável  e não tem como você negá-Lo. Santo Afonso Maria de Ligório diz que ninguém consegue viver a vocação à santidade, se não for dentro da sua vocação específica. Dentro da nossa identidade, está o carisma no qual devemos nos identificar. Para quem tem dentro da sua identidade um chamado específico para servir o Senhor mais de perto, testemunhá-lo  verdadeiramente, é necessário dar esta resposta. Não dando,  vive de uma forma medíocre aquilo que é próprio do evangelho, porque o evangelho não admite mediocridade. É preciso compreender que quando temos uma vocação, o único caminho é dar uma resposta positiva.
 
CLV - Senhor fala de muita autoridade da sua vocação. Há uma mistura de sentimento, há uma decisão no seu chamado? Há os dois ou são diferentes?
Todo ser humano é um ser religioso, e se é humano ele é afetivo. Só que nós precisamos em meio ao afetivo e à razão, à força de vontade, precisamos descobrir o espaço que só cabe a Deus, e este espaço é muito superior à afeto, ao sentimento, à emoção, à própria razão, e à própria vontade; Deus faz tudo isso para nos tocar. Mas quando Deus  alcança o homem é numa dimensão superior a tudo isso, Deus toca em nosso espírito, no espaço que só cabe a Ele.
 
CLV - Como é os passos de Deus na vocação Luz da Vida?
Os passos de Deus que já aconteceram podem ser mais fácil falar dele, mas os que não aconteceram não podemos falar, porque toda vocação você está correndo atrás dos planos de Deus. E quando você dá os passos que o Senhor quer, Ele sempre tem outros  maiores para que você O obedeça, siga esses passos.  Então, seguir os passos de Jesus Cristo é fazer esta leitura. A leitura de quem reconhece em Deus a maior causa de sua vida, o maior objetivo de sua vida. Então, a medida que se faz esta leitura, se começa então discernir quais os passos que devemos dar para agradar sempre o Senhor. Agradando a Deus vamos nos realizar como seres humanos.
 Olhando para a Luz da Vida, percebemos que Deus preparou de uma maneira muito simples e ao mesmo tempo muito profunda. A dificuldade é o meio em que vivemos e o que trazemos da nossa história: as nossas feridas afetivas, nossos apegos, nossos projetos pessoais que devem ser conformados com o plano de Deus e não o plano de Deus aos nossos projetos pessoais. Quando nós entendemos isso, a linguagem de Jesus que disse: aquele que quiser me seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz, depois vem e me segue; se nós entendermos a linguagem da renuncia, vamos entender, claramente, o quanto somos chamados a dar nossa vida pelo Reino de Deus. Isto é vocação específica. Obviamente como leigos vamos estar mais inseridos no mundo, e é esse hoje o grande desafio das novas comunidades.
 
CLV - Qual é o centro da vocação Luz da Vida?
É o coração de Jesus. Do coração de Jesus brilha esta luz para iluminar as trevas do mundo; de onde vamos buscar para resplandecer este brilho. O brilho do coração de Cristo para salvação das famílias. 
 
CLV - Como se dá a identidade do carisma Luz da Vida?
A  identidade está dentro daquilo que é face de luz de Cristo. A leitura que fazemos é quem é Jesus Cristo Luz da Vida ; nós vamos resplandecer este brilho. Não dá para determinar quem  é Deus,então,  não dá para determinar tudo que é luz: o Deus que é luz. Deus é luz. Esta experiência de compreender a identidade do carisma é uma meta que não irá acabar enquanto o fundador estiver vivo. Este é um desafio dia após dia. Mas é importante dizer o que Deus já fez. A partir do coração de Jesus, a base teológica da nossa vocação, o olhar para nossa missão, para o objeto da nossa missão que é família, olhar para a figura de S. João da Cruz e Santa Teresa d´Ávila, olhar para riqueza teológica de S. João Paulo II; tudo isso é fundamento que vai trazendo o que Deus sonhou para este carisma. Isto está cada vez mais cristalizado, mais formatado de acordo com o que Deus sonhou, porque com o tempo e com a oração, com a busca de agradar a Deus , isto vai sendo construindo. Nós acreditamos que hoje o carisma Luz da Vida é cada vez mais claro, isto é, vai clareando, vai se aprofundando a medida que nós queremos e fazemos a nossa parte.
 
CLV - Há alguma passagem na escritura que convenceu o senhor  da vocação? Quando isso aconteceu e como?
 
 Não acredito que uma passagem bíblica vai trazer uma vocação. Ela pode ser um marco na vida de qualquer pessoa, mas só ela não faz uma vocação. A vocação é uma construção  de uma resposta positiva que uma pessoa vai dando a Deus, e chega a determinado momento que ela foi construída e preparada por isso, para a vocação pelo próprio Deus. A Luz da Vida tem passagens bíblicas que estão no estatuto, mas não há uma passagem que diz assim:  esta marcou o que é a Luz da Vida. A experiência fundamental do carisma Luz da Vida é o Coração de Jesus. O próprio Cristo diz: Eu sou a luz do mundo, que me segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida. Isto é próprio do Evangelho. Reduzir o carisma Luz da Vida a esta palavra é reduzir o sentido da construção que Deus fez , o sentido histórico de tudo que Deus fez para chegar a este sim, para que nascesse a CLV.
 
 CLV - De que forma a espiritualidade Luz da Vida pode acrescentar na Igreja e na sociedade?
 
De maneira muito claro, percebemos o envolvimento das pessoas com aquilo que não é religioso, aquilo que é profano, e estão se aprofundando. O homem está se distanciando de Deus e, distanciando-se Deus, o homem se distancia de si mesmo. A grande contribuição da comunidade, com foco na missão que é evangelizar, resgatar as famílias, mas acima de tudo com uma boa formação inserida dentro da espiritualidade. Esta riqueza do conhecimento de si, de conhecer a si mesmo a partir de Jesus Cristo. Esta luz que ilumina as trevas a partir de dentro de nós, creio que esta grande sabedoria que brota do coração de Cristo para que possamos realmente trilhar este itinerário do conhecimento de si. Isto parte muito do que diz S. João Paulo II na sua primeira encíclica Redentor dos Homens. 
Em 1979, S. João Paulo II , lançou a sua primeira encíclica que diz que Jesus Cristo veio ao mundo para revelar a si mesmo, então, ninguém pode tomar posse de si, senão encontrar-se com Jesus. Esta é a luz que precisa brilhar em nosso coração, essa é a Luz da Vida: o próprio Cristo que vamos comunicar,e aí a pessoa vai se encontrar, descobrir-se, tomar posse de si a partir do Cristo que aparece na sua vida.
 
 CLV - E como descobrir ser vocacionado Luz da Vida?
 
A vivência do batismo é o primeiro passo. Primeira coisa: o que é viver o batismo? Viver o batismo é evangelizar e buscar a santidade. Isto está muito fora de moda hoje. As duas coisas não fazem parte da moda atual, as pessoas estão muito ocupadas de si mesmas, o egoísmo é a marca da vida das pessoas, por outro lado, as pessoas estão cada vez mais imaturas, especialmente, no quesito afetivo. A imatura afetiva é um dos grandes desafios que a vocação precisa superar, porque afetividade nunca é problema, ela é solução. No entanto, na imaturidade, as pessoas se tornam ainda mais apegadas, porque fazem dos apegos, das coisas, dos bens e até de pessoas subterfúgios porque não conseguem viver bem consigo mesmo. O grande desafio das vocações é que a pessoa não está bem vivendo só, ela acha que deve ter alguém, alguma coisa para encontrar a razão da sua existência. Isto impede a pessoa de fazer essa escuta da voz de Deus que a chama para segui-Lo. E toda vocação, e a Luz da Vida, não é diferente, é a partir da vivência do batismo: busca de santidade, que esta conformidade com  o próprio Deus, e evangelizar, anunciar o Deus que conheço, testemunhá-Lo, servindo o Senhor, a sua Igreja e o seu povo. Foi isso que aconteceu comigo, e é isso que deve acontecer com todas as pessoas. Então, quanto mais eu busco me conformar com Cristo, anunciá-Lo, eu vou descobrir de onde eu vim, quem sou eu nesse mundo, e a meta que tenho que alcançar.
CLV - Este mês estamos rezando, clamando ao Senhor pelas vocações. Há muitas pessoas que são vocacionadas, mas têm medo de assumir uma vocação; estão numa vocação, mas na verdade é outra, assim sendo, qual a orientação, a direção do senhor para estas pessoas que estão perdidas?
 
O  grande desafio para a questão vocacional é que as pessoas hoje não são formadas para a oração. Então, elas acreditam que sabem rezar. E o discernimento é o grande desafio e, hoje, estamos numa lacuna de diretores espirituais. O primeiro passo é que a pessoa aprenda a rezar e persevere na oração. Mesmo quando as coisas estiverem difíceis, que não esteja conseguindo, que ela persevere na oração, e tenha humildade de pedir uma direção espiritual. O que não é fácil de você encontrar. Um vocacionado se ele reza, se ele busca, o Senhor agirá na sua vida. Uma pessoa que tenha uma vocação medíocre, que reza só para dizer que rezou naquele dia. Não podemos rezar para isso. A Palavra de Deus nos diz: “Pelas misericórdias de Deus, oferecei vossos corpos como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, e este vosso culto espiritual. Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso espírito, para que possais discernir o que é bom, agradável, qual é a vontade de Deus” .  (Rm  12, 1-2)
 
Uma pessoa que não faz experiência autêntica com a misericórdia de Deus, ele não vai chegar à vontade de Deus, porque ele vai estar ferido. O que nos cura é a misericórdia de Deus, por isso, que S. Paulo nos diz: “pelas misericórdias de Deus” . Oferecer os nossos corpos, quando a pessoa tem a coragem de oferecer o seu corpo é porque antes ela ofereceu o seu coração, a sua alma e, talvez, o mais difícil seja o seu corpo. A compreensão  mais difícil seja o seu corpo, e talvez a última, por isso Jesus ofereceu seu corpo. E o que é oferecer o corpo? Um verdadeiro estado de castidade. 
Uma vocação cristã tem que passar necessariamente pela castidade, porque a castidade está vinculada à virtude do amor. Não existe castidade sem amor. A pessoa que não vive a castidade, não somente no sentido de abstinência sexual, mas no sentido de realmente aprender a amar, ela não vai conseguir viver uma vocação. O chamado do amor é aprender a amar como Deus ama. A beleza de uma vocação é a pessoa que se realiza num amor perfeito, acima do seu amor humano, que é o amor de Deus que vem alcançar a humanidade e capacitar a pessoa a amar como o próprio Cristo. 
 
Esta oferta do corpo é um sacrifício perfeito como diz a Palavra, e é esta oferta, esta oblação como nos ensina a Igreja é o que vai nos levar a não nos conformar com este mundo, estarmos dispostos a agradar a Deus e, se preciso for, desagradar pessoas. Por que o martírio existe? A expressão maior desta palavra é o martírio. O martírio dos apóstolos que deram sua vida pelo Reino, e tantos outros que tiveram esta coragem, porque ninguém pode tirar a vida de um cristão autêntico, porque a vida dele não pertence a ele; sua vida pertence ao próprio Deus. Esta dimensão de não conformar com o mundo, de fazer este discernimento do que é bom, do que é agradável, qual é vontade de Deus passa, a começar, pela misericórdia, pela entrega do corpo como sacrifício, obviamente do corpo que é templo do Espírito,  mas também toda sua humanidade; não se conformar com este mundo, anunciar os valores do Evangelho, e assim, descobrir a vontade de Deus. E quando se descobre a vontade de Deus, a pessoa se fortalece ainda mais para abraçar a causa do Evangelho e se entregar como oblação, como sacrifício pelo Reino de Deus.
 
Ultima mensagem que é muito importante, principalmente, para vocação leiga, porque o leigo não está acostumado a servir a Deus. Muitas pessoas acham, ainda mais na Igreja católica, que não se tem espaço para o leigo. E hoje o chamado é forte para a figura do leigo. O leigo tem espaço e que a Igreja já reconheceu e sempre reconheceu isso, e que o Espírito Santo do Senhor está chamando; ele está saindo, buscando a pessoa para que ela possa assumir este papel no mundo: Evangelizar. 
 
Gostaria de dizer, concretamente para todos que amam a família, que possam sentir este apelo no coração de seguir Jesus mais de perto, e quem O segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida.
 

Mensagem do fundador

banner site abrace ok 1
Nesse clima de abraçar a 90,7 FM. Venho pedir a você ouvinte, internauta que abrace essa causa conosco.
 
Qual o motivo desta campanha? Durante um ano não conseguimos alcançar a nossa meta de amigo da luz, não chegamos mais aos 100%.
Por isso, esse é um assunto muito sério. Pois a dívida foi crescendo e hoje está em torno de R$ 500.000 mil, não estamos conseguindo saldá-la, pois para nós é um valor altíssimo. Então, decidi pedir a sua ajudar, mostrar para você meu amigo a gravidade desta situação, a urgência que temos de pagar essa dívida ou perderemos a 90,7FM.
 
Esta rádio há 07 anos tem sido um canal da graça de Deus a muitas famílias, seu sinal tem alcançado muitas pessoas que estavam afastadas de Deus, pois ela tem levado Jesus Cristo a tantos lares, por meio das direções espirituais, da Santa Missa, da Palavra de Deus… Tem feito com que a luz, que é Jesus, chegue a tantos filhos de Deus que estão distantes, que se perdem em meio as trevas.
 
A rádio leva a luz que protege e salva tantas famílias. Quantos testemunhos temos recebido de pessoas que foram ao encontro de Jesus, que voltaram para a Igreja ouvindo a 90,7FM.  Convido você a passar um dia atendendo o telefone da rádio, para você perceber que as pessoas estão morrendo e aqui elas conseguem uma palavra amiga, um conforto, uma direção, uma oração…
 
Se você não fizer nada, nós vamos sair do ar, pois dever é pecado contra o sétimo mandamento, devemos e não estamos conseguindo pagar.  
Estamos fazendo um movimento para arrecadarmos os 100% da campanha, você que pode assmir uma cota seja de R$ 500 ou R$ 1.000 reais, ajude-nos!  Faça uma movimentação na sua família, na sua empresa. Eu acredito que existem 500 pessoas que podem doar R$ 1.000 para saldarmos toda essa dívida. 
 
Você deve colaborar!  Se você não pode ajudar financeiramente, reze por nós, pois estamos em pleno combate, o demônio não quer essa rádio que tem evangelizado e salvado tantos casamentos, tantas famílias. Todos que contribuirem irão receber um certificado: “Eu abraço a 90,7FM”. 
 
A Luz da Vida tem a face de Cristo e busca atender a necessidade do seu povo. Demos início a virada da fé,  outros casamentos, outras famílias precisam ser evangelizadas e salvas.  Essa decisão também é sua, vamos comemorar a vitória da fé juntos, pois tudo é possível para Deus. 
 
Esse valor é a média que estamos devendo, por isso tenho a coragem de pedir a sua ajuda,  seria injusto tirar a 90,7 FM do ar sem antes recorrer a vocês . Comprometa-se conosco!
 
Você já imaginou ficar sem a rádio? Esse poder tem que continuar,  reze, reze muito  por nós, pois estamos travando como eu disse um grande combate espiritual. Precisamos alcançar R$ 500 mil durante este mês de agosto. E eu e toda a Comunidade Luz da Vida contamos com você!  
 
Que Deus te abençoe muito!
 
Luiz Antônio de Paula
Fundador e Moderador Geral da Comunidade Luz da Vida
 

Domingo da Misericórdia - Agosto

banner site domingo-da-misericordia 24 08 ok
Venha beber da fonte da água viva, venha experimentar a misericórdia divina em sua vida e traga também sua família. Um dia cheio do amor de Deus!
 
Data:24/08 
Horário: das 08:00h às 17:00h
Local: Chácara Nossa Senhora das Graças – Sede da Comunidade Luz da Vida
Entrada: Doação 1kg de alimento não perecível
 
***Santa Missa às 15:00h***
**Atendimento individual de oração, Adoração ao Santíssimo Sacramento, Pregações, Oração do Terço da Misericórdia, Santa Missa, convivência, e muito mais!
 
Transporte: **Ônibus gratuito saindo às 07:00 da manhã direto do Clube da Luz – ao lado da Paróquia Sagrada Família (faça sua reserva); e também da Casa de Missão em Aparecida de Goiânia.
Fone: (62) 32472000 / 3298-3020

Curados e restaurados por Jesus

dfffffffffffffoooooooo

Semana de oração e cura e libertação - Com Roberto Tannus

Venha viver essa experiência de oração.